Residência Sr. Antônio El Zayek


LOCAL: TEREZÓPOLIS DE GOIÁS -GOIÁS
TÉCNICA: ADOBE
ÁREA: 330 m²
TECNOLOGIAS: CAPTAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE 200.000 LITROS DE ÁGUA DA CHUVA (AUTÔNOMA)
TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA E NEGRA (FOSSA DE BANANEIRA
REAPROVEITAMENTO DE MADEIRA DE DEMOLIÇÃO
TETO JARDIM

PROJETO: ARQUITETO HENRIQUE PINHEIRO
CONSTRUÇÃO: INÍCIO: JULHO DE 2007
FINAL: JUNHO DE 2008

9 Comentários a “Residência Sr. Antônio El Zayek”


  • Oi Tomaz, antes de tudo parabéns pelo trabalho!

    A dúvida é quanto a impermeabilização do adobe, visto que têem utilizado sem proteção contra chuva, isto é, sem generosos beirais…

    Obrigada.

  • Cara Suzanne, segundo o Arquiteto Henrique Pinheiro, autor do projeto, o adobe foi impermeabilizado com resina transparente, a mesma que é utilizada para telhas e cerâmicas.
    Um abraço

  • Ola Amigo
    se a proposta da construção com barro é q a casa possa respirar, não é contraditório impermeabilizar as paredes?
    não seria mais legal trabalhar um adobão q tenha uma capacidade boa para resistir agua, mas do que não deixar ela pasar?
    me ajude pois estou começando uma obra em adobão e tenho essa quesstão presente…
    agradeço sua atenção
    david

  • Olá David, primeiramente obrigado por entrar em contato conosco. Vou tentar responder a sua pergunta conforme a minha forma de pensar a arquitetura.

    A grande vantagem da construção de terra sem dúvida nenhuma é a troca de temperaturas entre os ambientes internos e externos… A técnica aplicada pode ser qualquer uma: adobe, taipas e taipa ensacada. Para um resultado mais duradouro em longo prazo a arquitetura com terra sempre virá acompanhada com alguma solução de impermeabilização, fora as soluções arquitetônicas que seriam alicerces e bases que garantam total isolamento contra a percolação de água do subsolo assim como formas de coberturas generosas que contribuam para a estruturas construídas não terem contato com água.

    Os projetos apresentados nesse blog são projetos vendidos para atender o mercado imobiliário assim não podendo ter soluções com características de testes e que não sejam duradouras e que não apresentem soluções seguras para os clientes, quem quer uma parede de barro onde em menos de um período de chuva/seca terá de refazer o reboco e tirar toda a umidade da parede.

    Grandes nomes da arquitetura e construção com terra como Johan Van Lengen, Gernot Minke, Nader Khalili apresentam soluções com piche (derivado de petróleo) no traço de impermeabilizantes… Assim como soluções mais orgânicas como rebocos e tintas feitos com elementos naturais (esterco, caseína, sumo de cactos, etc.).

    O produto utilizado no projeto de adobe… é um produto a base de água utilizado para prevenir o contato da água com a terra…a água não entra em contato com a terra. A parede continua a trocando umidade constantemente, pois não a históricos em nenhuma dessas construções de partes de parede que apresentaram retenção de água e algum tipo de infiltração… Ou seja, está tendo sim uma constante respiração, troca de informações com o meio…

    Obrigado pelo contato e sempre a disposição…

    Henrique

  • Gratidão, estou fazendo uns adobão e estou utiliçando BABA de palma em lugar de agua, assim que fizer as provas de agua te mando uns relatoriozinhos…. abraços e PARABENS pelos seus trabalhos,MUITO massa…

  • Jheniffer Figueiedo

    Parabéns pelo projeto. O planeta com a atual fase critica que esta passando, necessita de pessoas com a mentalidade como a sua… Com certeza conquistou uma fã.

  • IANARA ALVES DO AMARAL MANSUR

    Olá Tomaz e David,

    Tive o privilégio de ter como professor, numa aula do IPEC, o Antonio Zayek, o qual mostrou-se muito satisfeito com o resultado do projeto de vocês!
    Aproveito para dar um alo ao Tomaz que foi meu prof no curso de construção Sustentável, pelo INBEC, em Macéio e agradece-lo por ter me inspirado a conhecer o mundo da permacultura. Estou fascinada!

  • Paulo César Silveira

    Olá, estou pensando em construir estou animado em construir com adobe.como começar, orçamento projeto etc.

  • Oi Paulo, o primeiro passo é buscar bioconstrutores e/ou arquitetos que trabalham nesta área.

Deixe um Comentário